terça-feira, 23 de novembro de 2010

Sacudindo a terra


Um dia, o cavalo de um camponês caiu num poço.
Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por conta própria.
Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer.
Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel: concluiu que o cavalo já estava muito velho e não servia mais para nada, e também o poço já estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma.
Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o cavalo de dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o cavalo.
Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço.
O cavalo não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele, e chorou desesperadamente.
Porém, para surpresa de todos, o cavalo quietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou.
O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu. A cada pá de terra que caía sobre suas costas o cavalo a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão.
Assim, em pouco tempo, todos viram como o cavalo conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.
A vida vai lhe jogar muita terra, todo o tipo de terra. Principalmente se você já estiver dentro de um poço.
O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela.
Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima. Podemos sair dos mais profundos buracos se não nos dermos por vencidos. Use a terra que te jogam para seguir adiante!


Recorde as 5 regras para ser feliz:

1- Liberte o seu coração do ódio.
2 - Liberte a sua mente das preocupações.
3 - Simplifique a sua vida.
4- Dê mais e espere menos.
5- Ame mais e... aceite a terra que lhe jogam, pois ela pode ser a solução, não o problema.

Obs.: Li este texto e achei lindo e compartilho com vocês.

domingo, 21 de novembro de 2010

As águas do Rio Paraguai

 


Estou à beira do cais

Olhando as águas do Rio Paraguai

Com o coração a despedaçar

Da saudade do meu amor...

Lágrimas rolam do meu olhar...

É essa tristeza e dor

Em meu coração a dilacerar!

E eu aqui... Continuo a te amar!

Lá vão as águas minhas lágrimas a levar!

Aqui estou a amar,

Esse anjo-homem que me faz chorar...

Com essa distância

Que insiste em nos separar.

Oh! Águas do Rio Paraguai

Companheira da minha tristeza,

Não me abandones aqui a chorar,

Levem essas lágrimas para o mar

E eu cá continuo a amar!

E com saudades a te esperar!
 
 
KHASSANDRA GREEN
 Publicado no Recanto das Letras em 27/08/2007
Código do texto: T625358

Saudades - 12/06/2010

 

Hoje faz quatro anos que não posso ver seus olhos...
Dói muito meu coração... Nunca mais fui à mesma!
É uma saudade inquietante... Cada dia aumenta mais!
Sinto falta de tudo de você!
Sua voz... Era forte quando tinha que ser...
Serena quando teu amor por mim queria transmitir!
Sua mão firme a vida me direcionou...
Mas a mesma mão me acariciou!
Eu não posso omitir.
A senhora faz falta na minha vida...
É uma saudade sem fim
Tudo ficou triste com tua partida!
Meu anjo! Minha mãe!
Pergunto a Deus porque Ele levou-a de mim,
Eu ainda precisava tanto de ti...
Estou sendo sincera vivo por viver...
Sem muito motivo
Pois uma das minhas grandes alegrias era a senhora!
Quatro anos e parece que foi ontem...
A dor esta cada vez maior...
Mães deviam ser eternas...
Eu nem sei no que minha vida se transformou...
Num grande deserto sem vida!
Pois minha vida era você!
Queria ser admirada por ti...
Afinal sou filha única...
Único amor!
Pede a Deus pra você ficar comigo em espírito,
Quero sua presença sentir...
Deus permita que minha mãe fique perto de mim...
Jesus tem Maria tua mãe com ele nos céus, pois eu também amo minha mãe e te imploro que deixe seu espírito perto de mim.
Não separe mãe e filha que se amam tanto!
Deus me atenda, por favor!
Sinto tantas saudades... Mãe minha vida nunca mais foi mesma... Minha alegria murchou!
12/06 é o dia dos namorados... Dia das pessoas que se amam...
E eu te perdi... O grande amor da minha vida... Justo nesse dia!
Mãe hoje a senhora é espírito, pede a Deus, aos espíritos iluminados que permita ficar aqui comigo até o dia que eu também se for...
Mãe eu te amo tanto!
 
KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 11/06/2010
Código do texto: T2312964

Para você com carinho...

 


Eu te amo!

Quantas vezes eu já lhe falei que te amo?

Muitas vezes...

E realmente te amo... E falo com sinceridade do meu coração...

Quando eu caio... Você me levanta!

Em ti encontro paz, força para viver!

Contigo aprendi tantas coisas que só contribuirão para o meu crescimento como pessoa.

Teu carinho me acolhe em teu coração e eu me sinto protegida.

Contigo vivo os contos de fábulas de minha infância... Tu és meu príncipe encantado que me salva todos os dias...

Aprendi a amar... Antigamente pensava que sabia amar, mas não sabia. Eu amava com egoísmo... Amo-o com ternura e já o meu eu não é importante e sim nós dois somos importantes!

Aprendi a agradecer... Pedir desculpa e doar o melhor de mim em prol ao nosso amor.

Já sei ouvir mais... Compreender e ter paciência.

E não foram os anos que me ensinaram, foi à convivência com você que me trouxe tanto amor que amansou meu revoltado coração!

Agradeço a DEUS por ter colocado-o em meu destino... Sim foi Deus que lhe enviou como um anjo para cuidar de mim, algo tão maravilhoso assim é providencia divina!

Já não me vejo sem ti... És essencial para minha vida!
 
KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 10/07/2010
Código do texto: T2370229

JUSTICA DE DEUS

 

Meu DEUS, meu pai criador em tuas mãos coloco minha vida,
Diante de seus olhos exponho meu coração...
Na justiça dos homens estou sem esperança...
Mas na sua eu sempre cofiei!
A Justiça de Deus que nunca falha!
Pode até tardar, mas nunca falhar...
Meu PAI eterno... Tu que tudo sabe e tudo vê...
Nada fica encoberto diante de ti, oh meu DEUS!
Peço sua JUSTICA meu PAI, meu CRIADOR!
Não só para mim, mas a todos meus irmãos injustiçados!
Meu PAI tu sabes a dor de cada lágrima do meu olhar...
Cada respirar dos meus pulmões...
Cada palpitar de meu coração!
Conhece-me por inteira, sabe se estou sendo verdadeira...
À hora de DEUS devemos esperar paciente... Para tudo tem a hora certa!
Senhor há anos que espero tua JUSTICA... E nela confio plenamente...
Minhas forças escassas ainda têm esperanças...
Pois em ti creio e confio em tua JUSTICA!
Meu PAI... Meu DEUS... Olhe meu coração...
Ninguém sabe mais de mim do que o Senhor... Meu Pai!
Minha carne esta sendo comida por abutres da injustiça...
A dor é muito grande em minha alma e clamo por ti Senhor!
Sou tua filha... Vós sois o meu pai misericordioso...
Sei que diante do teu olhar não ficarei abandonada... Terá piedade Senhor!
E quando chegar a hora certa! À hora de DEUS...
Serei contemplada com tua JUSTICA Senhor e as trombetas de teus anjos soaram...
Basta um gesto do meu PAI, meu DEUS para terra tremer...
Justiça seja feita em nome de meu DEUS... Meu PAI!
Amém!
 
KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 16/11/2010
Código do texto: T2619346

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

LÁGRIMAS...

 

 

Cada gota de lágrima conta uma história...
Seja ela qual for!
Diga quem nunca chorou?
Seja sozinho ou em multidão...
De felicidade ou de dor...
Na chegada... Na partida...
Lágrimas...
Elas são inevitáveis... Um dia você ira chorar...
Seja aquele coração considerado duro... Esse chora em silencio e até escondidinho...
Uns tem suas lágrimas justificadas...
Uns falam das lágrimas dos outros...
Dizem que choram por nada!
Mas na realidade cada um sabe a causa de suas lágrimas.
E as lágrimas não são privilegio do ser humano... É sim do ser vivo!
Deus nos deu os olhos não somente para ver... Mas para expressar seja qualquer tipo de emoção...
Lágrimas são carregadas no coração, destiladas na alma e brota nos olhos...
Lágrimas de amor... Mágoas, arrependimento, solidão, raiva, desespero...
De alegria... Reencontro! Amizade!
Uns dizem minhas lágrimas salgadas de dor e saudade...
Lágrimas também de amor adocicadas... Regadas ao mel!
Lágrimas de mãe implorando ao céu...
Cada choro conta uma história!
Lágrimas na Bíblia citada...
A Bíblia nos mostra muitas passagens com Cristo em lágrimas, pelo povo, pela cidade, pelos homens, pela vida: (Hebreus 5:7; Mateus 23:37; Lucas 7:11-15), também pela morte (João 11:21; 33 e 35)
E... Jesus chorou também por Ele mesmo. E Seu choro foi diferente das outras vezes, foi tão intenso que seu suor se transformou em gotas de sangue devido ao grande sofrimento (Lucas 22:44)
E nós simples mortais já choramos aos pés de Jesus para implorar, agradecer ou nosso amor demonstrar...
Triste é ver uma criança de fome chorar...
Um ancião chorar por ter sido abandonado...
Uma mãe no leito da morte do filho amado!
Uns choram em liberdade... Outros choram em prisões!
Choro de erros que não podem ser corrigidos, pois o minuto passado não tem como ser recuperado...
Choro por não ter tentado!
Choro egoísta...
Senhor meu Deus... Muitos choram pela dor do teu irmão!
Cada gota de lágrima escreve uma história...
Qual é a sua?
Qual é a minha?
Creio que nunca choramos em vão... Jesus vê nossos corações!
Eis o consolador das lágrimas de dor...
"Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados". (Mateus 5:4).
E se for de felicidade nunca se esqueça de agradecer...
E nunca se esqueça a linda mensagem psicografada por Chico Xavier: TUDO PASSA - “Diante das dificuldades, não se entregue ao desespero. Tudo passa! Tudo passa... Exceto Deus. Deus é o suficiente! ”

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 29/10/2010
Código do texto: T2585713

segunda-feira, 18 de outubro de 2010


Só quem perdeu um grande amor sabe o tamanho e a intensidade da dor...” 


Minha vida sem minha vida


Como posso dizer que tenho vida?
Não... Não posso... Pois minha vida era você...
Depois que você se foi minha vida esta se arrastando no lamaçal do umbral...
Engraçado essa afirmativa, pois quem morreu foste tu... Mas é assim que minha alma ainda em vida se sente... Acorrentada e se arrastando no lamaçal do umbral...
Pecadora? Não... Arrasto de saudades... Da falta que tu me fazes...
Grito em desespero por ter de volta instantes de o teu protetor olhar...
Quero-o te volta e não tenho poder algum.
É assim minha vida sem minha vida... Pois minha vida era você!
Um coração triste... Uma alma inquieta!
Um olhar que busca nas sombras do desespero e da angustia o teu olhar...
Mãos sangrando de tanto esforçar em sair das lamas encravadas de espinhos... Mãos que te acarinhava, te mimava e caminhava forte ao teu lado...
Meus lábios estão ressecados, minha garganta ferida e seca de tanto chamá-lo...
Minha sem você... É o mesmo de estar morta! Pois não existe vida sem você!
Não... Não... Não preciso desencarnar para estar no umbral... Já o sinto aqui na terra cada segundo longe de ti... As chagas estão a descarnar, chagas de dor profunda que dilacera minha alma...
Quanto mais passa o tempo... Mas adentro desse suplicio entro... Mas me afogo e me debato nesse umbral!
Nada é bonito mais... Nada me traz alegria... Tudo se transformou em sombras...
Lembra como éramos felizes... Tudo era alegria! Uma flor, um inseto, um cantar de pássaro... Todos os dias eram felizes!
E tudo foi enterrado junto a ti... Hoje não consigo nem sorrir.
As flores murcharam todas e os pássaros já não cantam mais para mim... Pois perdi o encanto da vida... Porque minha vida era você!
Carrego nas costas um peso insuportável a dor da tua ausência... A saudade... Antes eu era forte vencia as batalhas corriqueiras do dia a dia... Hoje sou frágil desisto de ver o sol nascer... Desisto de vê-lo se por!
As estrelas e a lua para mim não tem mais valor!
Religião? Eu não sigo mais... Trago na boca o gosto amargo da lama do umbral no lugar dos beijos de puro amor que trocávamos.
Antes fazíamos planos e sonhávamos... Hoje meus sonhos e perspectivas foram destruídos pelo ácido da revolta.
Tudo porque te amei... Eu te amo muito ainda... Eras a vida que dava vida ao meu coração...
Nunca se esqueça a minha vida era você... Hoje me vejo assim minha vida sem minha vida...

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 18/10/2010
Código do Texto: T2563868



sábado, 17 de julho de 2010

TIO NICO...


A vida passa tão rápido... Trago nas minhas lembranças os poucos e inesquecíveis momentos que vinha a Borborema-SP visitar meus parentes. Eu morava no Estado de Mato Grosso e a distância me permitia visitá-los vez enquando.

Mas viver longe não impedia de amá-los de verdade. E quando chegava queria ver meus tios... E dentre eles o Tio Nico – Antonio Vidal Filho – o tio bonitão, charmoso e contador de histórias.

Mas quero enfatizar a vida de meu tio. Minha mãe dizia que ele nasceu com problemas nas pernas e quando criança minha avó carregava-o no colo aquele menino já grandinho. Depois usou muletas. Freqüentava escola, e os colegas apelidavam-no de perna de pau... Porém talvez fosse já do problema jamais levou um desaforo pra casa.

E com o passar do tempo dizem que um dia ele vinha pela estrada e um jipe “pé de bode” quase bateu nele, e ele naquele sufoco largou as muletas e nunca mais as usou e andou normalmente. Milagre das orações de vovó! Superação! Meu tio era um lindo rapaz! Vaidoso adorava um cavalo bom, roupas impecáveis no corpo, um chapéu, botas e um lenço no pescoço! Assim levava as moças ao delírio...

Meu tio Nico era um trabalhador... Não tinha sábado, feriado ou domingo que o impedia de trabalhar.

Seu dia começava às duas horas da manhã... Muitos e muitos anos foram assim. E não tinha hora pra descansar.

O trabalho dava vida a ele. Fazia de um tudo numa fazenda.

Era também um namorador... Ele viveu a sua vida como ele realmente quis e não aceitava palpite de ninguém em sua vida. A vida realmente pertencia a ele.

E ele amava a vida! Brigou com sua doença quase dez anos, parava de trabalhar somente nas crises da doença. Raras vezes... Umas duas ou três nesses anos todos.

Na vida muitos amores... Tia Rosa sua primeira esposa com quem teve João Batista. Tia Benta ele teve Ivone, Irene, Nereide, Áurea, Adauto, Adilson e Zilda. Com Nair a Emilia. Era um homem apaixonado... Amou também a Cida que morou um tempão com ele. E findou seus dias com um amor do passado que ele reencontrou e já estavam juntos há mais de dez anos...

A tia Eva que o cuidou com carinho, e nos últimos dias que a doença agravou não mediu esforços e nem o cansaço sentiu para ficar ao teu lado dia e noite!

Ele era sistemático, nervoso e diria até bravo... Não suportava a injustiça, conversa fiada e embromação!

Tinha amizade com todo mundo e muito querido.

Tinha um coração generoso num grande homem... Com seus quase 75 anos de estatura pequena, estava franzino porem laçava um boi e segurava-o no muque montado a cavalo. Esse era meu tio.

Mudei para Borborema-SP justamente para receber e dar carinhos aos meus... Meu coração parecia faltar um pedaço e que certamente seria preenchido com o calor dos abraços dos meus parentes.

Mas fiz planos... Esse ano na simplicidade comemoraria o aniversario de cada tio, e foi assim primeiro foi do tio Cido... Depois seria tia Matilde e dia 25/12 o tio Nico! E colocaria uma mensagem no jornal da cidade... Mas não deu...

Mas serviu de uma lição de vida pra mim... O amanha pode ser tarde demais... Faça hoje! Relembrei que no natal de 2009 nós deveríamos ter reunido todos sem importar com ceia... E sim com o amor! E iríamos rir juntos... Tirar fotos! Falar bobagem... Uns iria fazer uso da palavra... Outros chorar, e aqueles mais engraçadinhos fariam palhaçada... Tem também umas fofoquinhas! E isso tudo é família! Isso é amor! Na hora da dor todos juntos!

O Natal e Ano Novo do ano passado nunca mais voltarão... O tempo segue teu curso, o dia de amanhã pertence a Deus! Nesse Natal meu tio Nico não estará mais. Porem teu sangue dara continuidade, a arvore morre e seus frutos estão originando uma floresta... A floresta Vidal!

Que Deus permita que possamos reunir pelo menos uma vez por ano para fazer aos olhos de nossos entes queridos a alegria, pois certamente estarão participando em espírito.

Aprendi curtir mais meus familiares cada com teu jeitinho de ser, pois somos seres diferentes, mas com um coração que ama.

E ao meu tio Nico que amo tanto, me perdoa esperar o dia de amanhã... Agora é tarde demais não verás o jornal. O tempo não volta atrás...

Estaremos todos juntos um dia... E acredito muito que vamos rir, contar piada e, por favor, trabalhe menos... O senhor viu que não se levou nada, mas deixou muitas pessoas te amando... Então trabalhar é necessário, mas não podemos deixar de curtir o amor. Embora, tu viveste como quis e isso que importa. Fazia o que amava! E nós que queria mais um pouquinho de ti... Pois sua alegria nos fazia um bem danado. Meu tio Nico um capricorniano inesquecível! E pode pedir permissão aos céus que no teu aniversario tens que estar presente, pois irei fazer um bolo pra ti...

Borborema-SP não deixe cair no esquecimento sua história... São os anônimos que trabalham e fazem dessa terra o local maravilhoso para se viver! A família Vidal agradece todos os presentes no velório e no sepultamento. E em especial a família Souza Batista pela coroa de flores e por estar presente.

A morte não é o fim, é o começo... Nós te amamos para sempre tio. Todo o nosso carinho!

Antonio Vidal Filho
* 25/12/1932
+ 15/07/2010

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 17/07/2010
Código do texto: T2383266

sábado, 10 de julho de 2010

VOCÊ!



Você...
Entrou na minha vida,
Provocou uma tempestade,
Em meus desejos...
Fez um rebuliço no meu coração...
Você me faz ficar te esperando,
Horas a fio sonhando e te desejando...

Você...

Com um sorriso infantil...
Um olhar astuto e malicioso,
Abre meu ser...
Desvenda os meus segredos íntimos...
Agita o meu interior!

Você...

Nas minhas noites vazias...
Vem preencher...
Faz transbordar fantasias,

Você...

Alterou de forma mágica minha libido,
E me deixou desvairada,
Em louca volúpia!
Em profundo êxtase...
E agora estou só!

Você...

Faz-me de lembrança viver...
E os segundos eu contar,
Aqui a te esperar...

Você...

Que mais posso dizer...
É meu amor... Meu anjo!
A carne do meu ser!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 23/04/2008
Código do texto: T958480


Regado à Demis Russos - it's five o'clock


Estou pensando em ti e em todos os momentos que juntos passamos...

Regado à música de Demis Russos – it's five o'clock fala dessa saudade que me restou...

E se restou essa imensa saudade é porque foi muito bom tê-lo ao meu lado!

Então se meus olhos choram por ti não é em vão... É uma forma que meu coração achou para aliviar a dor.

Confesso dói muito ficar longe de ti. Você era meu amor, amigo, confidente, amante, marido e meu anjo!

Seu sorriso enchia meu dia de alegria!

Seu olhar era o que guiava meu caminhar...

Eu me esforçava para ser a melhor para receber tua admiração... Hoje não quero ser ninguém!

Eu tinha sonhos ao teu lado e tinha esperança em realizá-los. Hoje eu não quero mais sonhar!

Eu era uma guerreira... Hoje uma covarde! Eu me escondo entre os escombros que a minha vida se tornou.

As músicas que nós dois ouvíamos juntinhos... Eu ouço sozinha. Não tenho o calor de suas mãos me acariciando.

Abandonei minha vida, minha casa, minha saúde, minha carreira profissional, a cidade onde nasci e cresci... Fugindo da dor! Nada adiantou ela me acompanhou encravada no meu ser, mutilando minha alma e esmagando meu coração.

Ás vezes eu nem sei quem sou... Apenas vejo em mim um grande amor por você!

Quando eu era adolescente acostumava falar de um amor eterno... Um amor puro e verdadeiro... E esse amor tomou conta de mim já adulta. O amor adulto é mais profundo, inabalável e é eterno! É o amor amadurecido... Encorpado como uma bebida forte... Deixa marcas profundas. Um sabor inesquecível!

Como sinto tua falta!

E prometemos nunca nos separar... E quando você se foi tu levaste boa parte de mim... Levaste o melhor de mim...

Não... Não... Eu não me tornei amarga... Apenas me anestesiei... Eu apenas sou triste e caminho pela vida sem aquele brilho no olhar de quando te via. Pois você era a vida do meu coração!



KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 02/07/2010
Código do texto: T2354327

domingo, 6 de junho de 2010

Eu nunca irei te esquecer!




Meus amigos me pedem para lhe esquecer...
Isso é impossível ao meu coração,
Jamais isso irá acontecer,
Você é única razão
Do meu viver!
Não posso tirá-lo de dentro de mim...
Você está cravado no meu ser!
Meus amigos me falam que você não irá voltar,
E eu respondo chorando
Que mesmo assim irei te amar!
E sofrendo...
Vejo a vida passar,
Como um filme... Não... Não me arrependo!
Diante do meu olhar,
Nossos momentos são alento
Para as dores amenizar...
Meus amigos... Sei que eles não entendem,
Alguns até caçoam da minha tristeza...
Eles me ofendem,
Eu não ligo, pois tenho certeza,
Que um dia eu o terei...
Meus amigos... Dizem que você nunca mais irá voltar!
Que preciso viver!
Preciso sonhar!
Que aos poucos estou a morrer...
Cansada de lhe esperar!
Meus amigos têm razão!
Mas, eu não consigo te esquecer!
É loucura! É paixão!
Minha vida é você!
As lágrimas tomam conta do meu olhar...
Meus amigos me condenam
Pela minha dor, pelo meu chorar,
Eles não compreendem a dimensão
De o meu puro amar!
Atropela a razão,
Acredita que você irá voltar
Direto para o meu coração
E nunca mais irá me abandonar...
Meus amigos que me perdoem
Você do meu coração não irei tirar!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 05/06/2010
Código Texto: T2302217

terça-feira, 1 de junho de 2010

CINZAS AO VENTO


Quando do amor restar cinzas somente,
Não adianta chorar, melhor desistir,
Sopre as cinzas ao vento rapidamente,
Não volte atrás, não fica lutando a resistir...
Abre teu coração para amar novamente!
A vida é curta e de cinzas viver,
É perca tempo certamente,
Sem amor é preferível morrer!

Triste a vida sem a brasa quente,
A aquecer o coração apaixonado...
Pior é a dor que se sente,
De amar e não ser amado!
Toque a vida em frente,
E sopre as cinzas ao vento...
Desocupando seu coração da dor,
Como um fogão de lenha latente...
As frias cinzas dão lugar,
Para as brasas de um novo amor!



KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 01/07/2006
Código do texto: T185711

segunda-feira, 17 de maio de 2010

MAIS UM DIA SEM VOCE!

Despertei-me com muita saudade de você...
Talvez tenha sido a sensação que tive de estar à noite toda ao seu lado...
Em sonho... Sonho quase que real... Mas, era apenas mais uma noite de sonhos...
E como sempre mais um dia de muita saudade de você!
E mais um dia irei ter uma confusão de sentimentos em meu coração!
Com certeza não vou querer sair da cama... Ficarei enrolada em meio ao edredom macio, e depois vou relembrar o sonho e sentir toda aquela sensação como se fosse real...
E em meio a essa loucura eu murmuro palavras como: “Eu te amo tanto!”
Após as lembranças dos sonhos, eu lembrarei dos momentos reais que estive ao teu lado... E as lágrimas aliam-me a esse delicioso sofrer...
Sim... As lágrimas são minhas fieis companheiras.
E... Depois farei inúmeras indagações solitárias e sem respostas:
Por que te perdi? Por que você se foi? Será que me amou? Sentes saudades de mim? Pensas em mim como eu penso em ti?
Cansada de tantas perguntas sem respostas... A revolta toma conta do meu coração e loucamente começo a falar...
"Eu te amei tanto, dei minha vida por ti e eu merecia ficar sem você! Eu fiz meu mundo em ti... E ainda continuo assim... Vivendo de resto de lembranças encravados em meu ser! Sinto que a vida que ainda resta em mim é o amor que carrego por você!"
E se eu soubesse os porquês, às vezes seria mais fácil te esquecer...
Esse amor incondicional, sem medidas, irracional, mas tão puro, sereno, forte e que me suga todo dia um pouquinho minha vida... Esse amor... Motivo de risos e comentários de incrédulos, esse amor de meus sonhos! De ilusão! Mas, que se torna tão real em meu coração.
Mas à tarde estarei pensando... Onde foi que eu errei? E me culpo de mil maneiras... Talvez se eu tivesse agido diferente não teria te perdido! Ou minha fé foi fraca...
Como estou com saudades de você!
Uns falam que sou fraca... Já devia ter te esquecido! Mas... Eu até posso ser fraca... Porém meu amor por ti é forte!
Esquecer algo ruim é fácil... Esquecer nosso amor é impossível! Nosso amor era cheio de ternura e dedicação.
E a gente só enterra aquilo que é morto! Meu amor por você esta cada vez mais vivo como posso enterrá-lo?
E quando a tarde cai... E a noite vem chegando da um aperto no peito sei que será mais uma noite sem você.
Mas... Deus me consola, e novamente estarei em sonho com você! E assim tenho minha resposta tudo porque amo muito você!



KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 17/05/2010
Código do texto: T 2262497

Sabe o quanto eu te amo?




E só olhares em meus olhos e verás...
Verás que os olhos realmente são portas da alma e minha alma esta em ti...
Amo-te com alma, corpo e todo o meu coração...
Meu amor por ti transborda, é purificado pela dor!
Um amigo dizia que o amor verdadeiro não nos traz dor...
Mas, enquanto tu viveste não me trouxe dor.
Porém, depois que tu partiste, eu vivo essa dor... Dor da saudade! Dor da falta que você me faz!
Eu não quero me revoltar, preciso acreditar nos desígnios de DEUS.
Preciso acreditar que nada acabou e que em algum lugar almas que se amam vão se encontrar.
Que aqui na terra foi apenas um ensaio pra nos sermos feliz na eternidade!
Olhe nos meus olhos e verás o quanto te amo.
Sei e sinto você aqui agora... Posso sentir seu zelo por mim.
Suas mãos acariciando meu rosto.
Eu posso te sentir!
Sabe o quanto eu te amo?
E tão imenso que rompe a barreira da razão... E criei um mundo só meu e teu, e te sinto pertinho de mim... Posso ouvi-lo sussurrar palavras que eu gostava de ouvir. Ao fechar meus olhos eu sinto teu abraço. E ao respirar posso sentir teu perfume no ar. Eu fiz um mundo pra nos dois... É uma preparação pra um dia poder te encontrar e pra sempre ao teu lado ficar...
Pois almas que se ama nunca se separam... E nós nos amamos eu posso sentir! Eu vivo em ti... E você vive em mim... Almas são eternas.
Eu te amo assim... Um amor eterno!
Um amor de almas!
E só olhar em meus olhos e verás você!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 17/05/2010
Código do texto: T2262618


domingo, 9 de maio de 2010

SAUDADES... MINHA MÃE...



É com o coração cheio de saudades que venho falar contigo...
Sei que para muitos falarei sozinha, mas eu sei que a verdade é que a senhora me vê, me escuta e me faz companhia todos os dias...
Sofri tanto quando DEUS te levou... Fiquei até brava com ELE e estupidamente falei palavras duras... E por dias... Meses, sei lá quanto tempo perdi a fé. Desculpa mãe o meu egoísmo era tão grande que a queria somente pra mim.
DEUS em sua infinita bondade com certeza me perdoou...
Mãe, tu me deste tanto amor, mimos e cuidados.
Falava de mim com orgulho ás amigas, mesmo sabendo que eu tinha um monte de defeitos.
Teu maior medo era me perder, mas não temas... Jamais nos perderemos, quero viver ao teu lado toda a eternidade...
Hoje é meu aniversário e certamente já vieste me ver e puxar minha orelha a quantidade de anos que faço. E o que mais sinto falta no meu aniversário. Quando era pequena puxava para eu crescer... Anos e anos. A ultima vez que suas mãos estavam geladas.
E engraçado a data de meu aniversario varias vezes caiam o dia das Mães. E eu era teu melhor presente e tu eras o meu.
Não choro mais de dor e sofrimento, pois acredito que teremos uma a outra pra sempre, o espírito é imortal!
Hoje choro de saudades!
Todos os dias sonho contigo... E sei que as noites são nossas. A gente ri, se abraça, conversa e é maravilhoso que DEUS permita que de uma forma ou outra a senhora ficar pertinho de mim.
Muitas vezes senti a senhora limpar minhas lágrimas... O amor de mãe é tão forte que transcende as barreiras do invisível.
Queria ter puxado pra ti... Tu foste uma guerreira! Uma mulher forte e corajosa. Mas eu era e ainda sou frágil.
Lembro quando as pessoas perguntavam, “A senhora só tem ela?” E a senhora respondia... “Sim só tenho ela, minha filha única! Cuido dela como cuidar de um ovo, para não se quebrar!”
Com o tempo entendi que todo o teu cuidado comigo era pra me proteger e não me perder, pois se eu morresse a senhora com certeza com toda tua fortaleza não resistiria. Mas, imagina-me com toda minha fragilidade aceitar ficar sem te ver... Tive que me reinventar demorou tempo. Precisei primeiro entregar meu coração na mão de DEUS... Procurar uma religião, um alicerce pra mim poder seguir minha caminhada, pois também tinha filhos e eles precisavam de mim.
Meus filhos... Seus netos que dedicaste o mesmo amor pra mim e para eles.
Na religião encontrei sustentação e a fé que em desespero havia perdido.
E a senhora era uma mulher de fé... Nada te abalava e nada te abatia. Não teve grandes luxos, trabalhou muito.
Sua fortaleza estava em mim... Tu não podias esmorecer tinha eu pra criar...
Foi uma mãe responsável nunca me abandonou e com carinho moldou meu caminho para eu seguir até o dia em que a gente vai se encontrar.
Tenho uma saudade danada do teu café, do teu arroz soltinho e aquele feijão de caldo grosso.
Agora o que mais sinto falta é do afago de suas mãos, do teu colo, seu sorriso... Do teu cheirinho gostoso de mãe.
Eu só tinha a senhora no mundo... E tive que continuar vivendo, pois meus filhos só têm a mim.
Imagino como foi difícil ficar viúva com uma filha e sem arrumar outro marido... A senhora dizia que outro não iria tratar eu como filha verdadeira. (risos) Também dizia que somente me teve, pois uma a senhora carregava nas costas se fosse preciso.
Mãe eu te amo tanto... Eu sei que sabes do meu amor por ti. E que esta do meu lado agora me vendo escrever para a senhora... Deve sorrir e falar em meu ouvido palavras como: “Eu te amo também minha filha... Cabeça dura! Nunca perca a fé. Ore muito a Deus! Cuide de meus netos e nunca desanimes... Lute!”
E eu tenho fé em Deus que nunca irei me separar de ti... E enquanto meu corpo estiver vida irei ter as noites pra te reencontrar... E depois... Depois mãe a eternidade será nossa...
Na eternidade não escolheria outra alma gêmea a não ser a senhora minha mãe!


FELIZ DIA DAS MAES... Minha mãe TEREZA BALDUINA DE JESUS.


"A palavra MÃE... Somente a palavra MÃE já é uma poesia..."

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 08/05/2010
Código do texto: T2244289

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Um dia te amei...




Um dia te amei… E ainda te amo!
Amei tanto que de mim esqueci...
Eu tinha olhos só para ti...
Meus pensamentos carregadinhos de você!
Um dia te amei tanto que nem vida eu tinha, pois minha vida eras tu...
Amei com toda a sinceridade do meu coração...
Um dia te amei com toda a ternura de meu olhar... E ainda te amo!
Amei com toda a forca do meu sonhar... Depositei toda minha esperança... Acreditei e não desisti.
Pedi a Deus! Implorei que se fosse Destino enviaste a mim... Um dia te amei!
Você veio cheio de marcas de feridas que ganhaste pela vida...
Um dia eu te amei... Curei suas feridas! Eu te dei um amor tão grande... E eu te amo muito ainda!
Cuidei de você não somente como uma amante cuida de seu amor, mas como uma mãe cuida de teu filho. Pois meu amor por você era tão gostoso de sentir... Suave e doce!
Um dia! Um dia te amei tanto...
E um dia... Um dia você se foi... E eu te amava tanto que cai ao chão em lágrimas... Implorei ao meu Deus que deixasse você junto a mim!
E você se foi... A dor foi insuportável nunca mais fui à mesma... Tudo por que um dia te amei tanto... E ainda te amo!
Você se foi... E eu nem sei se sabias o quanto eu te amava...
O tempo passou... As lembranças me fizeram companhia... Meu sorriso se apagou!
E eu te amo ainda...
Ouvi dizer certa vez... Ninguém morre de amor... Realmente não morri, mas tive vontade inúmeras vezes... Um dia te amei...
Hoje tenho meu corpo vivo... Uma alma seca... Uma alma semelhante uma arvore seca num deserto... Isso é o mesmo de não ter vida!
Um dia te amei... O amor não me matou, porém me enlouqueceu...
Porque ainda te amo... E te amo muito! E você se foi...


Com carinho a minha mãe e Ilidio... Um dia amei tanto vocês... E... Amo muito... muito ainda!

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 07/05/2010
Código do texto: T2243074

segunda-feira, 19 de abril de 2010

NUNCA ESTIVE SOZINHA...


Diante do espelho... Vejo-me refletida...
Assim encaro-me frente a frente... E entro em mim através dos meus olhos...
Fito-me alguns instantes... E analiso o que restou de mim...
Restaram lembranças de um amor que se foi... Não por vontade própria. Mas, o destino me levou o grande amor da minha vida... Para o mundo dos mortos! E não conteve levou minha mãe ainda!
Quis o destino ver meus olhos tristes assim? O destino derrubou-me ao chão...
É... Vejo em meus olhos eu... Triste jogada ao chão com a mão suplicante... Levanta-me!
Passa um e nem me vês... Sim, passa muitos e não me ajuda levantar...
Pois a mão que eu queria não pertence mais a este mundo dos vivos...
Olho nos meus olhos... Que restou de um lindo amor findo! Sim... Amo o muito ainda... Mas, não o sinto perto de mim como antes... Por isso é amor findo!
Levanta-me! E nada... Não tenho forças para levantar, o destino me derrubou...
E assim no chão estou sendo atropelada... Pisada... Olho nos meus olhos e me vejo.
Olho o agora... E tenho saudade do passado! Antes do destino me derrubar... Eu sorria com os olhos... Que hoje só lágrima tem...
Nossa! É triste, mas senti dó de mim mesma...
E olhando em meus olhos... Fui puxando-me do chão... Devagar, é bem devagar... Para não escorregar pela lama da saudade... Aí seria tudo em vão! Com carinho, fui olhando dentro dos meus olhos... E fui delicadamente aos poucos... Meio tremula, frágil e dolorida se pondo em pé.
Aos poucos, fiquei de joelhos... E fui levantando-me e pus-me de pé! Quase ao chão fui parar... Estou me desequilibrando, não posso cair... Caso cair com certeza ficarei ali esperando o mundo dos mortos, forças não terei mais. Não posso cair...
Estou em pé! Olhando nos meus olhos... Lágrimas começam nascer dos meus olhos, talvez emoção de estar em pé!
E assim penso: “Quando o destino me derrubar novamente, pois não estarei escapo... São tantos tombos... Mas, antigamente sempre teve uma mão para me levantar... Hoje essa mão veio de meus olhos olhando dentro de mim... É assim... Quando não mais tiveres mãos algumas para te levantar... Crie essa força vinda de dentro de si... E levante! Levante! A vida é uma só, não compensa ficar ao chão vendo a vida passar... E ninguém vai te levantar... Somente nós que ainda almejamos o amor que podemos dar a mão para nós mesmos e se reerguer...”
Isso foi meu pensamento, um tanto egoísta, ninguém me levantou... Ninguém teve piedade de mim... E eu tive que sozinha reerguer... E olhando dentro dos meus olhos vi-me de pé... Forte... Sim uma força enorme invadia minha alma! Estou viva! Estou de volta! E comecei já querer olhar mais e mais dentro de mim... Enfrente aquele simples e velho espelho... De tantas imagens refletidas... Fui olhando... Alegre por estar em pé! Feliz de ter conseguido sozinha, sem precisar de ninguém! Fui descortinando-me vi tantos sonhos a realizar e eu boba estava no chão a se arrastar... Aprofundando-me em meus olhos... Que isso? Não entendi... Está embasado! Fui fitando... E foi clareando... Qual foi a minha surpresa desse egoísmo meu... Vi saindo de dentro de meus olhos ao espelho que não levantei sozinha... Havia uma mão! Não! Estava eu sozinha com certeza! Olho... Firmo meus olhos, pois posso estar tendo uma alucinação... Não! Agora vejo claramente, e choro de pura emoção... O tempo todo quando estive ao chão... Sozinha não estava! A dor fez-me egoísta, sentia somente meu sofrimento... Sim eu ali me vi no chão e sempre ao meu lado chorando comigo lá estava o meu grande amor... Que eu dizia findo! O tempo todo e eu não vi que ele chorava de ver-me sofrendo... Ele e minha mãe também... Os dois juntinhos... Nada podiam fazer por mim... Apenas chorar junto, eu estava cega achando que só aconteceu isso comigo! O destino um dia me derruba, e a todos nós! E vi que aquela mão não eram deles... Engraçado... Eu não estava sozinha... O tempo todo meu grande amor, minha mãe e... Tem outra pessoa... Uma mão... Deixa-me eu ver... Deixa-me eu ver... Está ficando mais nítido... Sim! Uma mão... Não fui eu que me levantei com meu olhar... Foi essa mão! De quem? Preciso saber quem era... Meu grande amor não era estava juntinho com minha mãe a chorar, vendo-me naquela situação estar... De quem é essa mão que está me levantando com cuidado... Com tanto amor... De quem? E a imagem daquela mão quando se solta da minha e deixa-me em pé... Vi meu amor e minha mãe sorrindo... E quando a mão se solta da minha, essa mesma mão caminha vai a minha face e limpa as lágrimas... Assim pude ver nítido uma chaga... Era Jesus! E ao olhar dentro dos meus olhos... Vi que nunca estive sozinha!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 13/04/2007
Código do texto: T447595

OS LÍQUIDOS DO MEU VIVER


Ilídio: Meu eterno anjo!

Tem coisas na minha vida que não abro a mão. É indispensável para o meu viver:

- Leite

- Água

- Café

- Você

- Meus filhos

Vou explicar:

LEITE

Significa vida! Foi meu primeiro alimento após meu nascer, e acompanhou- me durante todos os momentos da minha vida!
- È o único alimento que meu organismo produziu: amamentei meus filhos.
- Insubstituível!

AGUA

- Com certeza meu segundo alimento... Sem a água eu não teria vida!
- Nossa! Nessa seqüência de idéia... Também é líquido!
- Além da importância da higiene! A água também é vida!

CAFÉ

- Líquido também! Se não fosse a água não fazia o café!
- Meu companheiro das manhãs, tardes e noites!
- Das horas de nervoso: café!
- Insubstituível no meu viver!

VOCÊ! ILÍDIO

- Ilídio... Têm muitos... Estou falando de Ilídio dos Santos Norte! Esse é único... Nossa é meu!
- Não é leite, água, café... Mas é indispensável ao meu viver. É humano, porém em meus pensamentos declaro: És o líquido que fortifica minha alma!

MEUS FILHOS: YARLLON E BÁRBARA

- Também indispensável, saíram de dentro de mim... Nove meses gerando-os e acreditem é os únicos meses que realmente são nosso e fazem parte da gente!
- Quando crescem eles seguem suas vidas, cada qual com seu ideal...
- Amo-os é são líquidos! É o sangue que fazem pulsar meu coração!

TEREZA E ROBERTO

- Mãe e pai! Não deixaria de mencioná-los.
- Embora em outro plano morarem... È como se estivessem ao meu lado!
- E hoje também são líquidos também... São as lágrimas que choro de saudades deles!

ASSIM É MINHA VIDA... LÍQUIDOS!

- Líquidos que solidificam meus pés na vida!
- Como posso viver sem leite, água, café, Ilídio e meus filhos? Como?
- Se eu ficar sem um deles irá aumentar minhas lágrimas... E de meus olhos que é uma cachoeira pelos meus pais... Irá se tornar uma cascata...

ESTA É SUTIL FORMA DE DIZER A VOCÊ ILÍDIO:

- Que te amo!
- Indispensável ao meu viver...
- Não és leite: mas te amo!
- Não és água: mas te amo!
- Não és café: mas te amo!
- Não és meus filhos: mas te amo!
- Não és meus pais: mas te amo!


MAS ÉS O LÍQUIDO QUE DÀ VIDA A MINHA ALMA!



KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 04/12/2006
Código do texto: T309596

segunda-feira, 12 de abril de 2010

LONGE DE TI


Quando estou nos seus braços fico cheia de vida... Longe de ti morro todos os dias um pouquinho...

A luz do teu olhar irradia luz e ilumina meu viver... Longe de ti fico no escuro... Sem esperança só pensando em morrer...

Seus beijos me saciam minha sede... Longe ti estou morrendo desidratada...

Teu corpo me acolhe e esquenta minha alma. Longe de ti, minha alma triste e com frio caminha pelas trevas em vale de lama...

Suas mãos me indicam o caminho a seguir... Longe de ti vagueio sem rumo!

Sua companhia me fortalece... Longe de ti vejo-me frágil jogada num canto qualquer igual uma alma penada...

Seu jeitinho meigo adoça meu ser... Longe de ti o fel da tristeza invade meu ser transformando-o em amargor.

Você é o bálsamo que cicatriza minhas feridas... Longe de ti elas se abrem e a dor é insuportável...

Ao teu lado a alegria apodera do meu corpo... Longe de ti a tristeza desintegra-a... Em vida em me decomponho... Resta-me o exalar da podridão do meu ser!

Longe de ti estou sem vida... Quando tu chegares serei ressuscitada para a felicidade!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 15/04/2008
Código do texto: T946494

quinta-feira, 25 de março de 2010

Quem és tu homem?


Em momento de uma felicidade infinita fitando teu olhar, ajoelho diante de ti e lhe pergunto:

- Quem és tu homem?

E com o coração acelerado e a respiração ofegante continuo...

- Um bálsamo que cura minhas feridas? Ou... Um cirurgião plástico que remove as cicatrizes?

E você com o olhar brilhando concede o teu lindo sorriso... E eu continuo a indagar:

- Fonte de minhas inspirações... Quem és tu homem? Um anjo que consola minhas dores e enxuga minhas lágrimas? Ou... Um mágico que me faz sonhar?

E tu seguras minhas mãos me levanta e prende-me ao teu peito e com ternura encosta seus lábios nos meus... E eu estremeço em teus braços e continuo...

- Que poderes grandiosos tu possuis que cuida, cura e me faz delirar em teus braços? Qual teu mistério? Qual tua fórmula?

E sintetizo, pois meu corpo já não resiste seu carinho e deseja-o loucamente...

- Não sei distinguir quem és tu... Um ser iluminado que Deus enviou para ser meu anjo protetor? Que tu tens que me deixas assim, tão cativas a ti? Diz?

E ele com seu sorriso maroto... Responde-me:

- O que eu tenho? E fácil você descobrir... Basta olhar nos meus olhos e verás que a fórmula mágica tem um nome: AMOR. Esse amor imenso que transborda por ti.

Não consegui deter as lágrimas... As lágrimas de amor são abençoadas por Deus... Sai destilada do coração e passa pelo olhar sedento de amor!

E através dessas palavras cheia de ternura, eu me derreti em seus braços... Só se encontra o sentido da vida quando se ama de verdade e esse amor é correspondido na mesma intensidade!


KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 05/03/2008
Código do texto: T888702

Minha vida em rima...


Na vida já chorei...
E já muito sorri!
Apaixonei...
Sofri!
Gritei...
Caí!
Levantei!
Dores terríveis eu senti...
Implorei...
E com dignidade aprendi!
Cair e levantar... Orei...
Ao meu DEUS eu pedi...
Rastejei...
“_ Tira essa dor daqui!”
Supliquei...
“_ DEUS! Morrendo estou... E tu não estás nem aí?”.
Blasfemei...
“_ Não me socorres! Não acredito mais em ti!”
E sem rumo vaguei...
E me perdi...
Ensangüentei...
Enlouqueci...
Sentei...
Refleti...
E ao meu DEUS eu falei...
Perdão eu pedi...
Dores eu confessei...
Em fé fortaleci...
Ao caminho retornei...
Ao meu DEUS agradeci...
Em teus desígnios acreditei!
Reconheci...
E a minha vida eu mudei...
Já percebi...
Depois que em DEUS eu confiei...
Até um lindo presente recebi...
Meu coração está em ti...
Minhas feridas eu cicatrizei...
Dores de pessoas que por morte perdi!
Você é tudo que sonhei...
O que Deus queria... Reconheci...
Era o melhor pra mim... Conformei...
Entendi!
Cair precisei...
E agradeço por tudo que vivi...
Assim os valorizarei...
Deus e meu anjo-homem...
Viverei... Viverei...
Feliz... Feliz... Somente pra ti...
Esperarei... Esperarei...
Você aqui!

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 31/03/2008
Código do texto: T925368

Borboleta


“Quisera eu tivesse a coragem da borboleta! Pois eu estou em meu casulo... E não apeteço sair... Sinto-me protegida! Um abrigo com o suplício da metamorfose! Aqui dentro vivo entre a dor do passado e sonho para o futuro... Latente! Uma lagarta querendo criar asas para voar e suavemente repousar num lindo jasmim... Apaixonar! Feito somente para mim! E o meu coração diz: coragem lagarta ele está a te esperar... Sai de seu casulo, vai-te à vida! Se entregue ao amar!”

KHASSANDRA GREEN
Publicado no Recanto das Letras em 12/08/2007
Código do texto: T603972

Madre Teresa e Calcutá


O dia mais belo: hoje
A coisa mais fácil: errar
O maior obstáculo: o medo
O maior erro: o abandono
A raiz de todos os males: o egoísmo
A distração mais bela: o trabalho
A pior derrota: o desânimo
Os melhores professores: as crianças
A primeira necessidade: comunicar-se
O que traz felicidade: ser útil aos demais
O pior defeito: o mau humor
A pessoa mais perigosa: a mentirosa
O pior sentimento: o rancor
O presente mais belo: o perdão
O mais imprescindível: o lar
A rota mais rápida: o caminho certo
A sensação mais agradável: a paz interior
A maior proteção efetiva: o sorriso
O maior remédio: o otimismo
A maior satisfação: o dever cumprido
A força mais potente do mundo: a fé
As pessoas mais necessárias: os pais
A mais bela de todas as coisas: O AMOR!!!

Madre Tereza de Calcutá


Postei esse poema por que um dia minha mãe escreveu para mim... Algo ela queria me dizer... Talves que eu seguisse essas palavras do poema para ser feliz! Para mim e mais que um lindo poema, e sim uma oracão de amor!

domingo, 21 de março de 2010

Frases de Frida Kahlo que eu mais gosto.

FRIDA KAHLO



Frida Kahlo nasceu em 6 de julho de 1907 na casa de seus pais, conhecida como La Casa Azul (A Casa Azul), em Coyoacán, que naquela época era uma pequena cidade nos arredores da Cidade do México.
Seu pai, Guillermo Kahlo (1871-1941), nasceu Carl Wilhelm Kahlo, em Pforzheim Alemanha, filho de Henriette Kaufmann e Jakob Heinrich Kahlo. Enquanto a própria Frida sustentou que seu pai era de ascendência judaico-húngara,[3] pesquisadores demonstraram que os pais de Guillermo Kahlo não eram judeus, mas luteranos alemães.[4] Guillermo Kahlo navegou para o México em 1891 com a idade de dezenove anos e, após sua chegada , mudou seu nome alemão, Wilhelm, para o equivalente em espanhol, "Guillermo".
A mãe de Frida, Matilde Calderón y Gonzalez, era uma católica devota de origem indígena e espanhola.[5] Os pais de Frida se casaram logo após a morte da primeira esposa de Guillermo durante o nascimento do seu segundo filho. Embora seu casamento tenha sido muito infeliz, Guillermo e Matilde tiveram quatro filhas, sendo Frida a terceira. Ela tinha duas meia irmãs mais velhas. Frida ressaltava que ela cresceu em um mundo cercado por mulheres. Durante a maior parte de sua vida, no entanto, Frida se manteve próxima a seu pai. Sua família continua tendo presença no mundo artístico até os tempos atuais; a atriz, escritora e cantora Dulce María é sua sobrinha-bisneta.
Em 1913, com seis anos, Frida contrai poliomielite, sendo esta a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofre ao longo de sua vida. A poliomielite deixa uma lesão no seu pé direito e, graças a isso, ganha o apelido Frida pata de palo (ou seja, Frida perna de pau). A partir disso ela começou a usar calças e depois, longas e exóticas saias, que vieram a ser uma de suas marcas pessoais.
Ao contrário de muitos artistas, Kahlo não começou a pintar cedo. Embora o seu pai tivesse a pintura como um passatempo, Frida não estava particularmente interessada na arte como uma carreira.
Entre 1922 e 1925 frequenta a Escola Nacional Preparatória do Distrito Federal do México e assiste a aulas de desenho e modelagem.
Em 1925, aos 18 anos aprende a técnica da gravura com Fernando Fernandez. Porém sofreu um grave acidente. Um ônibus no qual viajava chocou-se com um trem, acidente que fez a artista ter de usar vários coletes ortopédicos de materiais diferentes, chegando inclusive a pintar alguns deles (por exemplo o colete de gesso na tela intitulada "A Coluna Partida"). Por causa desta última tragédia fez várias cirurgias e ficou muito tempo acamada. Durante a sua longa convalescência começou a pintar com uma caixa de tintas que pertenciam ao seu pai, e com um cavalete adaptado à cama.
Em 1928 quando Frida Kahlo entra no Partido comunista mexicano, ela conhece o muralista Diego Rivera, com quem se casa no ano seguinte. Sob a influência da obra do marido, adotou o emprego de zonas de cor amplas e simples num estilo propositadamente reconhecido como ingênuo. Procurou na sua arte afirmar a identidade nacional mexicana, por isso adotava com muita freqüencia temas do folclore e da arte popular do México.
Entre 1930 e 1933 passa a maior parte do tempo em Nova Iorque e Detroit com Rivera. Entre 1937 e 1939 Leon Trotski vive em sua casa de Coyoacan.
Em 1938 André Breton qualifica sua obra de surrealista em um ensaio que escreve para a exposição de Kahlo na galeria Julien Levy de Nova Iorque. Não obstante, ela mesma declara mais tarde: "pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade".
Em 1939 expõe em Paris na galeria Renón et Colle. A partir de 1943 dá aulas na escola La Esmeralda, no D.F. (México).
Em 1953 a Galeria de Arte Contemporânea desta mesma cidade organiza uma importante exposição em sua honra.
Alguns de seus primeiros trabalhos incluem o "Auto-retrato em um vestido de veludo" (1926), "retrato de Miguel N. Lira" (1927), "retrato de Alicia Galant" (1927) e "retrato de minha irmã Christina" (1928)
Casa-se aos 21 anos com Diego Rivera, um casamento tumultuado, ambos tinham temperamentos fortes e casos extraconjugais. Kahlo que era bissexual esteve relacionada com Leon Trotski depois de separar-se de Diego. Rivera aceitava abertamente os relacionamentos de Kahlo com mulheres, embora não aceitasse seus casos com homens. Frida descobre que Rivera mantinha um relacionamento com sua irmã mais nova, Cristina que teve 6 filhos. Separam-se, mas em 1940 unem-se novamente, o segundo casamento foi tão tempestuoso quanto o primeiro. Durante o casamento, embora tenha engravidado mais de uma vez, nunca teve filhos, pois as sequelas do acidente a impossibilitaram de levar uma gestação até o final.
Depois de algumas tentativas de suicídio com facas e martelos, em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo, que havia contraido uma forte pneumonia, foi encontrada morta. Seu atestado de óbito registra embolia pulmonar como a causa da morte. Mas não se descarta que ela tenha morrido de overdose, que pode ter sido acidental ou não. A última anotação em seu diário que diz "Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar - Frida" permite aventar-se a hipótese de suicídio.
Pesquisadores com base na autópsia de Frida acreditam ter sido envenenada por uma das amantes de seu então marido.
Diego Rivera descreveu em sua auto-biografia que o dia da morte de Frida foi o mais trágico de sua vida.

Coloquei essa biografia da Frida Kahlo pois ela foi uma mulher forte... Admiro-a não somente pelo teu talento artistico como tambem pela tua luta.

Albert Einstein


"Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,

Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre."


Albert Einstein